F

omentar o espírito de equipa através de momentos divertidos e descontraídos, que incentivam a criação de laços entre os colegas, é importante para todas as organizações, independentemente do modelo de trabalho implementado. É fundamental para as empresas que trabalham remotamente (para que tenham um momento de convívio e conheçam as caras dos colegas sem um ecrã pelo meio), para as que trabalham com um modelo híbrido (e, sobretudo, depois de a pandemia ter obrigado as pessoas a manterem o distanciamento social) e, também, para as que recebem os colaboradores diariamente no escritório (pois as relações que se estabelecem fora do escritório, num contexto mais informal e relaxado, são muito diferentes).

O resultado dessas atividades - que não têm necessariamente de traduzir-se num pesado custo extra para as organizações - pode ser surpreendente e muito compensador, com efeitos diretos no nível de engagement das pessoas. Estudos dizem que organizações com níveis de engagement mais elevados são empresas mais produtivas, existe maior motivação e compromisso, melhorias ao nível do bem-estar e, consequentemente, menor turnover (taxa de rotatividade).

“Quando feitas corretamente, as atividades de coesão de equipas são uma grande oportunidade para os funcionários se conhecerem melhor uns aos outros. Os gestores podem organizar eventos especiais, atividades ou programar perguntas para ‘quebrar o gelo’ e fomentar uma maior camaradagem entre os membros da equipa”, sugere a Adecco, empresa especializada em recursos humanos.

“Quando feitas corretamente, as atividades de coesão de equipas são uma grande oportunidade para os funcionários se conhecerem melhor uns aos outros. Os gestores podem organizar eventos especiais, atividades ou programar perguntas para ‘quebrar o gelo’ e fomentar uma maior camaradagem entre os membros da equipa”, sugere a Adecco, empresa especializada em recursos humanos.

A Coverflex reuniu um conjunto de sete ideias de atividades de teambuilding que pode pôr em prática com as suas equipas, que seguramente passarão a ser mais unidas e harmoniosas.

1. Workshops

Esta é, talvez, uma das atividades mais simples que pode organizar. Só tem de escolher a temática do workshop e fazer a marcação do mesmo. Desde jardinagem a expressão corporal ou pintura, as opções são várias. Nós sugerimos, por exemplo, um workshop de culinária. Pode ser divertido, útil e até contribuir para o desenvolvimento de certas skills no trabalho.

A Weat Gastronomic Hubs tem uma série de ações de team building que servem não apenas para proporcionar bons momentos e diversão aos participantes. “Queremos que gerem resultados tangíveis, aumentando a produtividade das empresas que os promovem”, diz a empresa. O “Quick thinking”, por exemplo, é um desafio de team building em Lisboa em que os participantes apenas sabem o que vão cozinhar no próprio momento. O grupo é dividido em equipas de dois ou três elementos e cada uma recebe uma receita no seu smartphone no momento e tem um determinado tempo para cozinhá-la. “Cada equipa tem de organizar-se entre si para dividir tarefas e realizar as várias etapas de cada receita, dentro do tempo e com qualidade”, explica a Weat Gastronomic Hubs.

O “Quick thinking”, por exemplo, é um desafio de team building em Lisboa em que os participantes apenas sabem o que vão cozinhar no próprio momento. O grupo é dividido em equipas de dois ou três elementos e cada uma recebe uma receita no seu smartphone no momento e tem um determinado tempo para cozinhá-la. “Cada equipa tem de organizar-se entre si para dividir tarefas e realizar as várias etapas de cada receita, dentro do tempo e com qualidade”, explica a Weat Gastronomic Hubs.

Existem várias empresas espalhadas pelo país que oferecem este tipo de atividades. Faça uma pesquisa, escolha a temática e pense em que tipo de experiência quer oferecer aos seus colaboradores.

2. Retiros

Os retiros são outra ideia que pode experimentar com a sua equipa. Pode simplesmente alugar uma casa no campo e passar um fim de semana com os colegas, fazendo uma série de atividades em conjunto para que se conheçam melhor e estabeleçam laços de afinidade. Pode, também, fazer um retiro mais específico, com um objetivo comum.

No Primal Gathering esse objetivo é simples: plantar árvores para regenerar a floresta portuguesa. Fundado por Nicole Bosky, trata-se de um movimento assente na colaboração e respeito pela natureza e pelos outros, que promete “deixar as pessoas e os lugares melhores do que aquilo que os encontramos”, afirma Nicole Bosky. É um win-win. Restaurar as florestas, através da plantação de árvores, e ao mesmo tempo restaurar as relações humanas, enfraquecidas pelo individualismo, pelos ecrãs e pelo ritmo tão acelerado em que vivemos. Neste retiro, é tempo de abrandar, pôr as mãos na terra e refletir.

No Primal Gathering esse objetivo é simples: plantar árvores para regenerar a floresta portuguesa. Fundado por Nicole Bosky, trata-se de um movimento assente na colaboração e respeito pela natureza e pelos outros, que promete “deixar as pessoas e os lugares melhores do que aquilo que os encontramos”, afirma Nicole Bosky. É um win-win. Restaurar as florestas, através da plantação de árvores, e ao mesmo tempo restaurar as relações humanas, enfraquecidas pelo individualismo, pelos ecrãs e pelo ritmo tão acelerado em que vivemos. Neste retiro, é tempo de abrandar, pôr as mãos na terra e refletir.

3. Videojogos

Se estiver a pensar em fazer algo totalmente diferente, com um objetivo comum que envolva todas as pessoas, mas com recurso à gamificação, este jogo pode ser o que procura. Foi desenvolvido por uma empresa portuguesa, a Bee Academy, a academia da Bee Engineering, e chama-se “Bee Kind”. Trata-se de um jogo de team building que pretende reforçar a ligação entre colegas de trabalho, ao mesmo tempo que se ajuda uma causa solidária.

O jogo foi primeiramente experimentado pelos próprios 200 colaboradores da Bee Engineering e, neste caso, os “troféus” reverteram a favor da União Zoófila. Todos juntos foram ultrapassando várias etapas e, tendo terminado todas com sucesso, conseguiram reunir a verba estipulada pela empresa para comprar ração, produtos de desparasitação e brinquedos para os animais. A ideia pode ser agora comprada por outras empresas e o produto é totalmente personalizável. Pode-se escolher a causa solidária que se quer beneficiar e pode ser jogado por uma empresa com muitos ou poucos colaboradores, dado que não há limite mínimo e máximo de participantes. Além disso, o jogo pode durar algumas horas ou vários dias, pode ser jogado no computador ou num telemóvel.

4. Concursos

Ainda na esfera dos jogos, outra sugestão que lhe damos é organizar concursos entre equipas. Muitas empresas fizeram-no durante o confinamento, para criar momentos de descontração entre os colegas, mas esta é uma daquelas práticas que pode perfeitamente manter com alguma regularidade.

Ainda na esfera dos jogos, outra sugestão que lhe damos é organizar concursos entre equipas. Muitas empresas fizeram-no durante o confinamento, para criar momentos de descontração entre os colegas, mas esta é uma daquelas práticas que pode perfeitamente manter com alguma regularidade.

O Millennium BCP levou esta ideia muito a sério e organizou o “Millennium Trivial”, um concurso que podia mesmo ser um programa televisivo. Tinha uma apresentadora, uma série de concorrentes e até um joker. Todos colaboradores e gestores do banco. Perguntas, respostas certas e erradas, e pontuações. O objetivo da atividade, que foi feita através de videochamada, era aumentar o envolvimento e fortalecer o compromisso das pessoas. “Esta aproximação entre colaboradores do banco, através de um programa leve e divertido, suscitou sorrisos, partilhas e, claro, aumentou a motivação do grupo de pertença”, conta Rita Pio, técnica de comunicação da Millennium TV e apresentadora deste concurso.

5. Atividades desportivas

Seja em modo competição ou não, outra das opções que lhe damos são as atividades desportivas. Aulas de ginástica, de yoga ou de dança que pode até organizar dentro das instalações do escritório, caso tenha espaço disponível para isso. Crie, por exemplo, um grupo de dança às terças-feiras ou de yoga às sextas.

Ou então vá mais longe e organize uma sessão de escalada, de trampolim ou de padel fora do escritório. Incentive as pessoas a fazerem desporto e vai ver que, provavelmente, algumas delas vão mesmo manter esse hábito com os colegas.

6. Viagens

Se o seu orçamento para este tipo de ações for mais elevado, organizar uma viagem de equipa pode ser uma opção interessante, seja dentro do país ou no estrangeiro. Existem algumas agências de viagens que organizam todo o roteiro, as atividades a realizar e o alojamento. Só tem de decidir o destino da viagem. Seguramente que será uma experiência que os seus colaboradores não vão esquecer.

7. Horta comunitária 

Por fim, sugerimos-lhe -- caso tenha um escritório -- instalar uma horta comunitária. A Natixis, a Microsoft e a Porto Business School (PBS) são algumas das empresas que já o fizeram e que garantem o sucesso da iniciativa. Utilizaram os terraços dos edifícios para instalar hortas urbanas, em que se plantam alfaces, tomates, espinafres, cebolas, e por aí fora. E os agricultores são os colaboradores, que fazem uma pausa do trabalho para subir ao terraço e meter as mãos na terra. Um momento de descontração, que serve para desconectar do ritmo acelerado do dia-a-dia e conectar com a natureza.

A Noocity é uma das empresas que faz este tipo de serviço, de instalação e manutenção da horta e, também, de implementação de todo um programa de atividades para os colaboradores. “As hortas permitem trabalhar as equipas do ponto de vista das relações humanas muito bem. As pessoas saem para a rua, estão juntas e conseguem criar laços muito fortes. Numa lógica de team building é realmente muito impactante”, diz o CEO e cofundador da Noocity, José Ruivo.

Mais sobre 

Coverflex Recomenda

Ver Todos