R

eferir a compensação num anúncio de trabalho pode ser muitas vezes uma tarefa delicada e até complexa. E quando se trabalha com a Coverflex, por exemplo, em que há um sem fim de benefícios, como evidenciar os mais importantes? Ou como quantificá-los? Também sabemos que é sempre um desafio ter de comunicar um conceito que ainda é, para muitos, desconhecido, sem nos dispersarmos. Além disso - e nisso estamos com vocês, recrutadores de RH -, não é esse o objetivo de um anúncio de emprego.

A verdade é que hoje em dia, sobretudo na hora de contratar talento qualificado, ou atrair profissionais de setores mais competitivos, referir os benefícios num anúncio de emprego pode fazer toda a diferença. Logo, saber comunicá-los é tão importante como criar um bom título ou definir com clareza as funções de um trabalho.

Mas vamos por partes: acabou de escrever o anúncio de emprego. O título é claro. As funções estão bem definidas. Até adicionou uma breve descrição sobre a empresa e sobre o produto/serviços em questão; e explicou bem a importância daquele cargo dentro da hierarquia da empresa. Por fim, claro, indicou a faixa salarial.

Como deve, então, referir a compensação?

Cada vez mais, os colaboradores estão interessados em outros benefícios que vão muito para além do salário mensal.

“Pela minha experiência, a maioria dos candidatos parece francamente gostar de uma combinação de benefícios financeiros e não financeiros.”, diz Ivan Almada, recrutador de RH da Jobbex, acrescentando: “Para os trabalhadores os benefícios acabam por funcionar como um atrativo extra, mais focados na sua felicidade e no seu bem-estar. Pela minha experiência, é importante ter presente o perfil da pessoa que queremos contratar. Basicamente o que eu faço é apresentar ao candidato os benefícios que eu acho que mais lhe vão interessar”.

“Pela minha experiência, a maioria dos candidatos parece francamente gostar de uma combinação de benefícios financeiros e não financeiros.”, diz Ivan Almada, recrutador de RH da Jobbex, acrescentando: “Para os trabalhadores os benefícios acabam por funcionar como um atrativo extra, mais focados na sua felicidade e no seu bem-estar. Pela minha experiência, é importante ter presente o perfil da pessoa que queremos contratar. Basicamente o que eu faço é apresentar ao candidato os benefícios que eu acho que mais lhe vão interessar”.

Ou seja, possivelmente, para um cargo júnior, o pagamento das despesas de ginásio ou a aquisição de equipamentos tecnológicos serão benefícios mais atrativos. Em contrapartida, para alguém numa posição sénior (que, à partida, será um candidato mais velho e com maior probabilidade de já ter família), haverá um maior interesse nos benefícios focados na família, como o pagamento da creche dos filhos, por exemplo.

Claro que, depois, há benefícios cujo interesse é transversal, independentemente da faixa etária. Eis alguns exemplos:

  • Pagamento do passe de transportes públicos;
  • Acesso a um Plano de Poupança e Reforma;
  • Subsídio de alimentação.

Por esta razão, o nosso conselho é que, juntamente com a informação sobre o vencimento, no anúncio, faça referência a este tipo de benefícios, enumerando-os. Encare esta informação como uma mais-valia e use-a para atrair um maior número de candidatos.

Do lado dos candidatos, estes benefícios são vistos, muitas vezes, como algo que acrescenta real valor ao salário, bem como ao seu trabalho! É de notar que não falamos apenas de valor monetário. Falamos também de cuidado com o bem-estar e atenção às necessidades do futuro colaborador, seja enquanto membro da empresa, seja enquanto indivíduo. Esta é também uma forma de lhe mostrar que a empresa se importa, e que o seu esforço e o seu trabalho são reconhecidos e recompensados.

Do lado dos candidatos, estes benefícios são vistos, muitas vezes, como algo que acrescenta real valor ao salário, bem como ao seu trabalho! É de notar que não falamos apenas de valor monetário. Falamos também de cuidado com o bem-estar e atenção às necessidades do futuro colaborador, seja enquanto membro da empresa, seja enquanto indivíduo. Esta é também uma forma de lhe mostrar que a empresa se importa, e que o seu esforço e o seu trabalho são reconhecidos e recompensados.

Outra abordagem possível é quantificar, indicando face ao salário a percentagem de benefícios. Por exemplo: “30K por ano + 3% de benefícios mensais”. Deste modo, o candidato entenderá que, para além do salário, há algo mais que pode esperar da sua compensação. Verá também que apresentar um número como referência acaba por ser sempre mais elucidativo do que escrever apenas “outros”, “muitos” ou “diversos”. 

Outra alternativa é informar quais os principais benefícios usados pelos colaboradores da empresa. Se quiser, pode mesmo fazer um top 3 ou um top 5 das compensações mais populares entre os restantes funcionários.

Deixe que a compensação fale pela empresa

Tenha também em conta que quem procura ativamente trabalho está habituado a ler vários anúncios. Neste contexto, a compensação é uma forma de diferenciar a sua empresa das outras.

Além disso, é também uma boa forma de apresentar a empresa. Melhor do que dizer que a empresa é muito cool, que está na vanguarda e se preocupa com os colaboradores e com o seu desenvolvimento profissional, é, de facto, provar que o é! Deixe que os atos falem por si e que sejam também um espelho dos valores e princípios da empresa. Afinal, as ações valem sempre mais do que as palavras, certo?

Se optar por apresentar benefícios no campo da educação/formação, o futuro colaborador sabe que poderá, efetivamente, crescer enquanto profissional e que há espaço para ele aprender e para se formar.

Já os benefícios seniores, assim como os associados à infância, são uma boa forma de passar a mensagem de que se trata de uma empresa onde as famílias são bem-vindas e respeitadas. Graças a este tipo de benefícios, é possível poupar nas despesas familiares relacionadas com creches, lares de idosos, estabelecimentos de apoio social, entre outros, e também pagar despesas de saúde, medicamentos incluídos.

Já os benefícios seniores, assim como os associados à infância, são uma boa forma de passar a mensagem de que se trata de uma empresa onde as famílias são bem-vindas e respeitadas. Graças a este tipo de benefícios, é possível poupar nas despesas familiares relacionadas com creches, lares de idosos, estabelecimentos de apoio social, entre outros, e também pagar despesas de saúde, medicamentos incluídos.

A par da medicina, os benefícios também se estendem a atividades de bem-estar, como serviços de fisioterapia, massagens e ginásios. E, claro, saúde mental! Ansiedade, stress, burnout são considerados alguns dos principais inimigos dos trabalhadores. Para que tenha uma ideia, segundo dados de 2016 da Associação de Psicologia da Saúde Ocupacional, cerca de 17% dos trabalhadores em Portugal estavam em burnout. Um número que tem vindo a aumentar (em 2008 eram 9% e, em 2013, 15%). Segundo o mesmo estudo, 86% dizem viver situações de stress no trabalho. E tudo nos leva a crer que, com a pandemia, estes números tenham aumentado ainda mais nos últimos meses. Logo, compete também à empresa apoiar os seus colaboradores, dando-lhes acesso a ferramentas que lhes permitam cuidar de si. Só o simples facto de mencionar estas questões no anúncio de trabalho já passa uma forte mensagem sobre aquilo que move a empresa, os seus valores. Inclusive, dá-lhe um toque mais humano.

Lembre-se disto!

Independentemente de como decidir comunicar a compensação, deixe claro que a forma como ela é usada é da inteira responsabilidade do colaborador. É importante que este perceba que pode usar a sua compensação naquilo que realmente o faz feliz.

Independentemente de como decidir comunicar a compensação, deixe claro que a forma como ela é usada é da inteira responsabilidade do colaborador. É importante que este perceba que pode usar a sua compensação naquilo que realmente o faz feliz.

Igualmente importante de referir é o facto de este tipo de compensação ser isento de IRS ou de Segurança Social - ou de ambos. Sim, nós sabemos, parece bom demais para ser verdade - mas asseguramos que é mesmo!

“Sinceramente, acredito que, no futuro, os benefícios farão parte da estratégia de Recursos Humanos de qualquer empresa", antevê Ivan Almada. “Para os candidatos, o futuro é agora. Hoje em dia, muitos esperam não só mais flexibilidade, como também um maior reconhecimento por parte da empresa. Ao oferecer benefícios, é isto que se está também a fazer: a acrescentar valor para além do salário”.

Mais sobre 

Compensação

Ver Todos